quinta-feira, 16 de junho de 2016

Mousse de Morango para Crianças Gulosas e Mães Atarefadas




Já não sei ao certo de onde nasceu esta receita, ou de onde veio a original pelo menos. 
Talvez da minha amiga Rita que é adepta do crudivurismo e que me tem despertado para novas possibilidades e sabores e que sei que um dia destes nos irá brindar com um livro de receitas. Anseio por esse dia. 
Mas também pode ter sido a Carla, uma amiga que é nutricionista, mas que não é uma nutricionista da treta, daquelas que recomendam o pãozinho com fiambre ou a bolacha Maria, que dessas fujo a correr. A Carla é uma nutricionista diferente, com uma abordagem mais integral, com quem se aprende o equilíbrio e não a contar calorias. 
Bom, na realidade já não sei mesmo de onde veio a receita original, mas com o passar do tempo acabámos com esta versão que nos enche a barriga e a alma e que nos nutre e deixa satisfeitos. Deixo aqui a receita que fazemos cá em casa para os dias quentes em que apetece um lanche fresco, doce e saudável.

Ingredientes para 8 taças:
1200gr de morangos
2 bananas grandes e maduras
1 abacate maduro
10 tâmaras 
algumas gotas de sumo de limão

Deitar todos os ingredientes numa liquidificadora e triturar até ficar um creme homogéneo. Na bimby, serão uns 15 segundos na velocidade 6.
Depois, é só servir e vê-la desaparecer.
Se conseguirem resistir e esperar, coloquem no frigorífico cerca de meia hora antes de servir. Fica maravilhosa!!!
Bom apetite!

quinta-feira, 9 de junho de 2016

A Magia e a Adrenalina dos Dias com 3 Crianças e um Bebé

Porque apesar de parecer que os nossos dias são sempre organizados e tranquilos, que tudo corre bem e que eu estou sempre com um sorriso, a verdade é que normalmente são um verdadeiro circo e que a nossa casa parece um campo de batalha. 
Viver com 4 crianças em permanência absoluta, significa passar o dia a fazer comida e a lavar loiça, ou, em alternativa, a preparar piqueniques muitas vezes com o bebé ao colo, para no final do dia lavar a loiça do jantar mais a loiça do piquenique. E para fazer comida é preciso ir às compras... muitas compras para barriguinhas esfomeadas....

Aqui em casa todas as crianças, incluindo o bebé, assim que acordam de manhã querem apanhar ar. Ainda eu não recuperei de mais uma noite aos trambolhões, porque o bebé come mais durante a noite do que durante o dia em que anda muito atarefado a tentar fazer coisas de bebé atómico, e já estão todos preparados para o passeio.
Mas para sair de casa com 3 ou 4 crianças é preciso um saco de sobrevivência cheio de comida, como se estivéssemos em fuga em pleno apocalipse. E quem prepara os mantimentos é a mãe, muitas vezes enquanto faz números de circo com facas, fruta e bebé à mistura.

No momento de sair de casa, depois de uma hora na cozinha, percebemos finalmente que aquele cheiro estranho afinal vem do bebé que transborda de cocó desde as pernas até ao pescoço. Mais meia hora para dar banho ao bebé e mudar de roupa.
Finalmente saímos e vamos passear. Se formos de carro é o berreiro do bebé até ao destino, se formos a pé, adormece ao colo, claro, assim que saímos a porta de casa. E os outros querem comer assim que chegam à rua como se ainda não tivessem bebido um batido, comido umas torradas e mais uma papa de aveia. E com isto já são 11 da manhã.

Durante o dia, se ficamos por casa, tentamos ler histórias, fazer trabalhos manuais, jogar jogos de tabuleiro enquanto o bebé se dedica à organização das prateleiras dos livros, ou come os restos do jantar da noite anterior misturados com pelo de gato e umas peças de lego.
Depois é preciso tomar aquela decisão quando vamos estender a roupa. Levamos primeiro o bebé para o quintal ou levamos primeiro a roupa e depois voltamos para vir buscar o bebé? Ou levamos os dois ao mesmo tempo? E estendemos a roupa com o bebé ao colo ou ele até está bem disposto e fica a brincar ao nosso lado com os irmãos que lhe fazem razias à cabeça com a espada de madeira e a lança de homem primitivo? 
E enquanto faço as camas? Deixo-o dentro da cama de grades, que só é usada em situações de emergência em que ninguém pode tomar conta do bebé, sabendo que vai começar a berrar, ou deixo-o no chão a pendurar-se nas minhas pernas e a tentar subir por mim acima ou a por-se em pé sozinho enquanto entala os dedos nas gavetas da cómoda? Ou desisto e faço as camas com ele ao colo? Ou desisto e não faço as camas?

Ao final do dia, é preciso fazer o jantar. Mais uma horita na cozinha a tropeçar no bebé que vai atirando laranjas para debaixo do armário e petiscando uns biscoitos de gato como aperitivo. A alternativa é fazer o jantar com o bebé ao colo ao mesmo tempo que ele deita a mão a tudo, incluindo facas, garrafas de azeite, loiça no escorredor e rolo de papel de cozinha. Ao mesmo tempo que a restante criançada grita esfomeada por comida e se atira ao pão seco como se não fosse haver mais nada para comer.

Se sobreviver a esta hora na cozinha, ainda posso ter a sorte de nem conseguir jantar. Entre bebé a pedir comida, o Simão que quer companhia para fazer cocó, todos a quererem contar as aventuras do dia gritando por cima uns dos outros para se fazerem ouvir, lá vou conseguindo comer qualquer coisa e às vezes, com muita sorte, eu e o pai até conseguimos trocar umas palavras um com o outro.

E depois vem a melhor parte: conseguir que vão todos para a cama. Mesmo com a perspetiva de terem uma história, fazem tudo o que podem para ficarem a pé, connosco, mais cinco minutos e mais cinco e mais cinco. Não temos horários rígidos para os rapazes se deitarem, mas pelo menos que fiquem no quarto deles para que nós, casal, possamos estar uns momentos a sós. Coisa impossível!!!
Mesmo a Madalena, entre ler o seu livro,  lavar os dentes econseguir chegar à cama, entra 20 vezes no nosso quarto com questões existenciais e histórias para contar.

 E o bebé, mesmo quando está exausto, de barriga cheia e rabo lavado, pode aguentar-se de holofotes acesos até lá para as dez da noite. Isto nos dias bons! Muitas vezes adormecemos, eu e o pai, antes dele. Já pensámos em amarrá-lo a nós para termos a certeza de que não cai da cama se for o vencedor da prova de quem aguenta mais tempo acordado.

Há dias alucinantes. Quase todos!  Em que parece que vivo num campo de batalha e cujo único objetivo é chegar viva ao fim do dia e sem ter atirado nenhuma criança pela janela.
E depois de mais uma noite aos trambolhões, começa tudo de novo! Querem mais emoção do que isto?









terça-feira, 7 de junho de 2016

Uma Espécie de Croissants com Recheio de Tahini de Cacau, sem Trigo ou Manteiga



Há uns dias fizemos uma espécie de croissants com chocolate, e eu digo espécie porque a textura era mais a de biscoitos do que propriamente croissants e não ficaram muito fofos, mas em todo o caso desapareceram num instante. 
Fizemos uma massa folhada adaptada, sem trigo e sem manteiga e usámos para o recheio um Tahini de cacau que já usamos frequentemente noutras receitas. É assim uma espécie de Nutella, mas sem as porcarias todas que a verdadeira e genuína leva. 
Esta é uma receita bem acessível para fazer com as crianças e elas adoram estender a massa, cortar, rechear com chocolate e enrolar.
Espero que gostem, e agora a receita:

Ingredientes:
125g leite de arroz
40g óleo de coco
15g açúcar
225g farinha de espelta
50g farinha de milho
25g farinha trigo sarraceno
1 ovo
1 pitada de sal
1 saqueta de fermento 
Tahini de cacau

Colocar todos os ingredientes numa taça e misturar e amassar muito bem até fazer uma bola. Colocar no frio cerca de 1 hora. No final desse tempo, seguir os seguintes passos:

Passo 1: estender a massa com a forma de um quadrado e dobrá-la no sentido de baixo para cima e da esquerda para a direita. Repetir o processo mais duas vezes.


Passo 2: dividir a massa em três partes, para ser mais fácil de esticar e voltar a estender até ficar bem fina e de preferência redonda. As minhas crianças só conseguiram fazer um quadrado, o que também funciona embora fique menos perfeito.


Passo 3: com uma faca, cortar a massa em 8 triângulos como se fosse uma pizza.
Passo 4: barrar os triângulos com o creme de chocolate.


Passo 5: enrolar cada triângulo a começar na parte mais larga.



Passo 6: levar ao forno a 180ºC cerca de 20 minutos.
Bom apetite!!!


sexta-feira, 3 de junho de 2016

Flextangle ou uma Espécie de Caleidoscópio muito Colorido e Divertido


Esta semana andámos à volta dos flextangles que já tínhamos começado há uns meses mas que não tínhamos continuado. Na altura construímos dois, muito giros, mas um dos nossos gatos comeu-os e ficámos sem vontade de recomeçar.
 Mas esta semana voltámos a pegar nisto. 
Confesso que os meus rapazes acham mais graça a brincar com os flextangles do que propriamente a construí-los. Começam sempre com entusiasmo, mas depois, sou sempre eu quem os acaba e desta vez não foi excepção, acabei todos os flextangles que eles começaram. Mas achei que valia a pena mostrar esta ideia, pois concerteza que há por aí quem goste de pintar e tenha paciência para os construir. O resultado é sempre uma surpresa divertida!
A ideia encontrámos no Pinterest, como sempre, e seguindo o link encontrámos este blogue com tantas outras ideias divertidas. 
Depois de terem os vossos moldes impressos sigam o passo a passo que aqui vos deixo. 

Passo 1: pintar os moldes como quiserem porque pela minha experiência acabam sempre por ficar giros. Se quiserem uma ideia, sigam o guia de padrão que está no canto inferior esquerdo do molde. Nós pintámos assim:


Passo 2: depois de tudo pintado recortem pela linha exterior escura deixando também as abas para a cola.


Passo 3: dobrem todas as linhas verticais tracejadas e voltem a desdobrar.

Passo 4: dobrem todas as linhas diagonais, vinquem e voltem a desdobrar.

Passo 5: deixem que os caleidoscópios comecem a dobrar-se pelas linhas vincadas e colem as abas.


Passo 6: dobrem o flextangle até ficar como na foto. Depois é ir virando para se verem as diferentes faces. Divertido, não é? Espero que gostem!!




Se estiverem baralhados podem ver este vídeo que mostra como fazer. É muito mais fácil do que parece!
Bom fim de semana!!

terça-feira, 31 de maio de 2016

A Tília, magnífica nos Batidos Verdes e uma Receita muito Básica mas muito Saborosa





A natureza está cheia de plantas e folhas verdes que podemos consumir em segurança, mas que normalmente nem nos lembramos que existem, e uma delas é a tília. 
Há uns dias, encontrei a Fernanda Botelho num dos seus passeios guiados em que dá a conhecer às pessoas o uso e os benefícios da plantas silvestres. No momento em que nos encontrámos ela estava a falar da tília e dos seus benefícios e eu fiquei um bocadinho ali a ouvi-la e a tentar perceber se seria uma boa ideia fazer batidos com folhas de tília. 
Eu gosto muito de passear pelos campos e trazer para casa folhas para os nossos pequenos almoços, para além de fazer questão de ensinar aos meus filhos quais as folhas que se podem comer. Não é um assunto que domine, mas acho importante que eles saibam que podem comer malvas, urtigas, dente de leão, capuchinhas, entre muitas outras, e agora a tília, e que sejam capazes de as reconhecer.
Nesse dia em que encontrei a Fernanda, trouxe para casa um molho de folhas de tília para os nossos batidos e posso dizer-vos que são umas folhas com um sabor muito suave e agradável e uma cor verde claro que fica maravilhosa nos batidos. 
Vou deixar-vos com uma receita de batido muito, muito simples e saboroso, amigo das crianças e cheio de folhas de tília.
Espero que gostem e se aventurem...

Ingredientes para 2 litros de batido:
6 folhas grandes de tília sem a nervura central
4 bananas
3 laranjas
2 pêssegos Paraguai
1/2 abacate
água



sábado, 28 de maio de 2016

6 anos de Simão, o Livre

O nosso açoriano, terceirence, rabo-torto, fez hoje 6 anos. 6 anos a crescer nos nossos braços, sem nunca ter ido à escola, sem saber o que é ter hora para acordar, ou ir dormir, ou comer, ou ir à casa de banho. 
Já não me lembro do dia em que deixou de usar sapatos, mas há anos que não os usa. Não gosta!!!! Também não gosta de calças e por isso veste calções em todas as estações. Em casa, quando não está frio, não usa roupa. 
Chamam-lhe menina por causa do seu cabelo enorme, mas ele não se rala.
Aprendeu a andar de bicicleta sozinho e percorre toda a aldeia a pedalar, deixando-me com o coração bem pequenino. A mim e a toda a gente, embora muitos já se tenham habituado.
Sobe o escorrega, os muros e as árvores e salta do baloiço em andamento. Conhece toda a gente na aldeia e já todos o aceitam como é.
Adora formigas, caracóis, minhocas, bichos de conta, marias-café, rãs e todo o tipo de bicharada. Passa horas dos seus dias a brincar com formigueiros e a explicar-me tudo o que se lá passa. 
Gosta de mapas e quer saber onde ficam os países. Quando recebemos cartas é o primeiro a correr para ir ver os selos e perceber de onde vieram. 
Gosta de jogar o jogo da memória e de pintar com pincéis. 
Mas o que mais gosta mesmo é de dragões e dinossauros.
É tão livre, tão "selvagem", corajoso e divertido...
À noite, depois da história, já deitado na cama, pede-me para lá ficar com ele, dá-me a mão e diz que me adora! É assim o nosso Simão! Tão livre, mas sempre à procura do nosso colo.
Parabéns pequeno Simão. Desejo que cresças e sejas sempre livre e feliz como és hoje. Tens a infância que eu desejo para todos os meninos.









quinta-feira, 26 de maio de 2016

Parabéns Lourenço pelos teus 10 anos de vida



Já passaram 10 anos desde que olhei para ele pela primeira vez, tão pequenino e tão frágil. Hoje, tão crescido, por dentro e por fora, continua a ter uma ternura dentro dele que o faz único e tão especial. Dos meus 4 bebés foi sempre o mais tranquilo, dorminhoco e ternurento, coisas que não se perderam ao longo desta década. 
Mas hoje, quando olho para ele, já começo a vislumbrar o homem que um dia será.
Gosta de conversar, gosta de pessoas, gosta mesmo muito de pessoas! Gosta de cães, de gatos e de cavalos. Gosta de abraçar, e abraça até quem acabou de conhecer, deixando quem não o conhece com um ar desconcertado. Gosta de gelados, de música e de dançar. Gosta de festas na cabeça, que lhe leiam histórias e de desenhar. 
Gosta de espadas, escudos e arco e flecha e gosta de os construir em madeira. Gosta de cavaleiros, índios e guerreiros, playmobil e lego. Sempre que pode faz lanças e machados a partir de paus, com a faca Opinel que comprou com o seu dinheiro.  
Deixa sempre um bocadinho de comida no prato, não gosta de sopa nem de peixe. Gosta de andar de bicicleta, de jogar à bola, adora conhecer pessoas novas e não gosta dos livros da escola. Conhece pelo nome quase todas as pessoas da aldeia onde moramos e acredito que conquistou os seus corações. 
Gosta de ganhar dinheiro e é um grande vendedor.
Gosta de filmes de aventura e de cavaleiros, de jogar Catan e de fazer Mandalas em lã. Gosta de cuidar da horta, conhece plantas silvestres e seus nomes e quando crescer quer ter uma quinta com animais, viver numa autocaravana e viajar pelo mundo.
Gosta de aprender história, os descobrimentos e a reconquista cristã, e continua a escrever apenas com letras maiúsculas. 
É assim o Lourenço que enche a nossa vida de emoção e de desafios. É assim o Lourenço que enche os nossos corações.
Parabéns Lourenço por estes 10 anos de vida vivida com muita emoção.